terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Minha primeira cirurgia ortopédica

Nesta manhã, cuidamos do angustiante caso da menina Rosinha, que nos foi trazida por sua responsável, Srta. Júlia Fonseca de Andrade. Devido a um terrível acidente, a garota sofreu uma gravíssima fratura na bacia, que separou completamente as duas pernas (uma da outra e ambas do tronco). Não exibimos registros da paciente na condição em que nos chegou porque as imagens eram muito fortes.

Ao lado, você observa a paciente já durante o ato cirúrgico. Nossa técnica, que admitimos ser experimental e bastante arriscada, consistia em aproveitar o fato de que o acidente já separara os membros inferiores do tronco para  religar a região da bacia e, depois, recolocar as pernas no lugar. Nossa esperança era que, com isso, a paciente recuperasse a plenitude dos movimentos.

Todavia, o risco era a ligadura não suportar a pressão mecânica contra os ossos dos quadris e foi exatamente o que aconteceu: as pernas voltaram a se separar. Diante do insucesso, mas premidos pela necessidade imperiosa de assegurar a melhor qualidade de vida possível à paciente, restou-nos a segunda técnica, já conhecida porém menos eficiente: encaixar as pernas primeiro e promover a religação depois.

A segunda fotografia mostra a paciente após a segunda intervenção, sendo possível observar a gravidade da fratura.

Podemos considerar que o procedimento foi bem sucedido, embora tenha ocorrido a sequela previsível: a garota perdeu boa parte dos movimentos. Felizmente, ele conseguirá ficar de pé, mas precisará de instrumentos para se locomover, o que fará com alguma dificuldade. Além disso, precisará tomar muito cuidado para evitar novos danos na região afetada, que certamente não suportará outros traumas.

Rosinha segue internada, pois precisamos acompanhar a evolução de seu quadro, que é favorável. Quando receber alta, daqui a alguns dias, demandará fisioterapia e muito carinho da família, sobretudo para adaptar-se à nova condição. Acompanhamento psicológico é altamente recomendado.

Este foi o Plantão Médico de hoje. E não se esqueça: doar sangue salva vidas!

2 comentários:

Adrian Silva disse...

Que bom que deu tudo certo. Em meu caso, meu quintal ainda é cemitério no qual estão enterrados muitos soldadinhos de guerra da década passada; pobres coitados, vitimados, e que não tiveram as mesmas oportunidades que a Rosinha. É a vida.

Anônimo disse...

Boa essa. Vê se consegue consertar nossa linda Belém também.
Kenneth