segunda-feira, 18 de junho de 2012

A canção da gurijuba

Há alguns dias, Júlia estava na casa da avó quando resolveu cantar. Mas decidiu fazer as próprias canções e se saiu com uma pérola, cuja letra foi registrada por uma prima que tinha caneta e papel à mão na oportunidade. Veja o que a pequena inventou:

Se você não pegar a gurijuba
Você vai morrer de fome
Você vai ficar sem a sua mãe
Porque ela era muito velha
E você era uma
guri, guri, gurijuba!

A gurijuba é um peixe de cor pardo-acizentada variando para o amarelo, cabeça grande e achatada, de ocorrência predominante no litoral norte do Brasil. Pode atingir 30 quilos. Há quem o considere um peixe de qualidade inferior, mas sua carne tem sido comercializada fresca, salgada e até defumada, inclusive sob a forma de hambúrguer. Parte do preconceito pode ser explicado pelo fato de que, por muito tempo, o seu maior valor comercial não era a carne, e sim a bexiga natatória (conhecida como grude), exportada para a Europa, onde é matéria-prima para a fabricação de remédios, colas e filtros.
Para mim, isso é um absurdo. A carne da gurijuba é deliciosa, sobretudo quando em pedaços fritos ou numa caldeirada. Esse meu gosto foi apresentado à pequena Júlia, razão pela qual ela pensou no tema na hora de "compor".

Fontes: http://www.portalamazonia.com.br/secao/amazoniadeaz/interna.php?id=853http://www.globoamazonia.com/Amazonia/0,,MUL960856-16052,00-BEXIGA+DE+PEIXE+AMAZONICO+VIRA+COLA+E+REMEDIO.html

4 comentários:

Ana Miranda disse...

A Júlia promete!!!

Essa menina vai loooooooooooooonge!!!

Hei de vê-lo por aqui, daqui a uns anos - todo orgulhoso - falando das grandes conquistas dela.

Com certeza!!!

Yúdice Andrade disse...

Como todo pai, espero que ela faça coisas bonitas. Não digo grandes, para não criar uma pressão em torno de façanhas. Mas digo bonitas, porque desejo que ela seja uma mulher de bem, útil à sociedade e, claro, acima de tudo, absurdamente feliz.

ROBERTO PIMENTEL disse...

Gurijuba tem seu valor, e que valor! Certo professor vigiense para descontrair em suas aulas de cursinho de vestibular ao se referir ao consumo do referido peixe em sua terra de origem, a Vigia, fala muito da gurijuba ao tucupia e que lá ninguém gosta de hambúrguer. E lasca o propedeuta: -Lá a gente gosta mesmo é do guribúrguer!

Yúdice Andrade disse...

Caro Roberto, eu nem sou chegado em sanduíches. Trocaria qualquer um deles por uma belíssima guri-guri-gurijuba, frita ou cozida, com ou sem tucupi! E ainda divido com o nobre colega educador de nossa Vigia de Nazaré.