quinta-feira, 29 de março de 2012

De quem é a vulgaridade?

Luiza Duarte Leão, comentarista da maior categoria, não concordou com as ideias que sustentei na postagem "Mulheres autoafirmadas de hoje". E formalizou sua contrariedade em um texto, como sempre lúcido e reflexivo, que você pode ler aqui.

Não é todo dia que discordamos com elegância e conteúdo. Aliás, como deixei registrado na caixa de comentários do blog da Luiza, o reproche me levou a encarar o tema sob um aspecto que simplesmente não passara pela minha cabeça antes.

Dei alguma razão a ela, mas persisto em minhas valorações.
Resulta daí que achei importante compartilhar a réplica. Quem sabe vocês nos ajudam a encontrar um denominador comum?

5 comentários:

Luiza Duarte Leão disse...

Obrigada pela deferência e carinho habituais! Como disse na minha resposta, está cada vez mais difícil discordar das pessoas. É um alento que existam pessoas como tu!

Victor Picanço disse...

Não tem muito a ver com o post, mas fiquei chocado ao ver ontem, na novela da Globo, a exibição de cena em que uma menina de 7 anos beija s (tá, foi um Selinho, o que pra mim não muda nada) outro menino... É a tv estimulando a erotização precoce.

Luiza Duarte Leão disse...

Yúdice, querido, acho que tivemos uma contribuição valiosa por lá!

Victor, ainda não assisti a novela. Ontem, enquanto me arrumava pra sair, acho que "ouvi" a cena a que te referes. Ela perguntou algo como "é assim que beija?", não foi? Não sabia que tinha sido um selinho, mas me pareceu inocente, apesar de bem fantasiosa.
A novela passa às 21h e tem classificação indicativa elevada. Se os pais não controlam o que seus filhos veem nesse horário, não vejo como transferir a responsabilidade para a tevê. E se algum adulto se sentiu atraído por aquilo, não foi por causa de "erotização" da cena. Ele é doente.

Victor Picanço disse...

Luiza, por certo é também dever dos pais, mas não dvemos ignorar que muitos e muitos pais não cumprem satisfatoriamente seu dever. E outra coisa, a atriz é de fato uma criança!!! Como é que deixaram uma criança se sujeitar a esse tipo de coisa?

Victor Picanço disse...

Com 7 anos eu só queria saber de video-game futebol, LEGO etc. não tava nem aí pras meninas :p