terça-feira, 17 de abril de 2012

Perguntar não ofende

Aquela conhecida grife estrangeira, que eu supunha sofisticada e cara (mas que não é, segundo um comentarista anônimo que me corrigiu), sentará praça em Belém, numa loja de 1.800 m2 no shopping mais sofisticado da cidade. Não custa perguntar: será que alguém já está procurando imóveis com porões, a fim de manter em confinamento e situação de trabalho análogo à escravidão as pobres costureiras que produzem as peças?
Se alguém quiser me acusar de estar sendo impertinente ou injusto, antes leia aqui e aqui. Como sempre, não foi minha culpa. Foi coisa do terceirizado clandestino...

4 comentários:

Anônimo disse...

Uma correção: Zara não é uma loja "sofisticada e cara". Pelo contrário: vende roupas semelhantes às de grife, com preços acessíveis.
Mas vc tem razão sobre o trabalho escravo.

Yúdice Andrade disse...

Grato pela correção. Meu erro se explica pela total ignorância acerca de grifes e afins.
Já modifiquei o texto.

Luiza Montenegro Duarte disse...

No Brasil, por ser importada, é considerada um pouquinho sofisticada. E não é TÃO barata.
No exterior, é quase uma C&A, tanto que, quando a Kate Middleton (haha) usou um vestido da loja um dia após o casamento (hahaha), foi o maior bafafá! Foi elogiadíssima pela "simplicidade" e "austeridade", diante da crise (hahahaha).


P.S.: Me perdoa? :)

Victor Picanço disse...

E o pior são esses colunistas sociais ("jornalistas de amenidades", rs) ficarem "pagando pau" pra uma coisa dessa.