quinta-feira, 11 de março de 2010

O Brasil é uma piada

Esta acabou de acontecer. Juro, agorinha.
Cidadão ligou para o número 154, do DETRAN, a fim de fazer uma pergunta simples: com a greve, todos os serviços estão paralisados? É que ele retirou um carro da concessionária ontem e precisa colocar o lacre. Queria saber se, talvez, ao menos um serviço tão simples e rápido estaria funcionando.
Logo de saída, a atendente perguntou com quem estava falando. Ele respondeu "um usuário" (julgou que seria suficiente, dada a generalidade do tema tratado) e forneceu maiores detalhes sobre o que pretendia. Com a voz um tom acima da frase anterior, a atendente enfatizou:
Senhor, eu preciso saber com quem estou falando!
Surpreso, o usuário disse o nome, apenas o primeiro nome, informação que não poderia ser checada pela atendente e que, por isso mesmo, não lhe parecia essencial. Aí sim a desgraçada respondeu. Mas sabe qual foi a resposta?
Senhor, o DETRAN está em greve por tempo indeterminado. Todos os serviços estão suspensos.
Ora, [palavrão], para dar uma resposta dessas, por que a miserável fez tanta questão de saber o nome do cidadão?! Era um cidadão paraense precisando de um serviço que lhe está sendo sonegado! Ponto. Bastava saber isso. Mas além da exigência estúpida, não faltou a despedida:
O DETRAN agradece a sua ligação.
Ele não disse. Mas pensou numa coisa muito interessante para a atendente e o DETRAN fazerem com essa gratidão toda.

4 comentários:

Pacheco disse...

PQP!

Ana Miranda disse...

Uai, sô, que trem mais doido...
Eu, como sou meio maluca, explicito: PUTA QUE PARIU!!!

Alan Wantuir disse...

Sabe o que acontece caro amigo, hoje o "servidor público" não se preocupa com o cliente preferencial dele que é o cidadão que ao pagar impostos diretos e indiretos, paga o seu salário. Sou servidor público e sei o que falo, uma maioria só quer a "estabilidade" do serviço público e depois f... a coletividade. Acho que a aferição de produtividade desses servidores deveria ser elencada em lei, como muitos orgãos com suas leis específicas já existe, talvez assim, melhorasse o nível de atendimento. A política partidária inferniza também a maioria dos oegãos da administração.

Yúdice Andrade disse...

Foi o que eu pensei, Pacheco e Ana. Isso e muito mais! Só não o disse para a atendente, que valia menos do que uma mensagem gravada.

Diagnóstico preciso, Alan. Exerço funções públicas há 13 anos e sei bem do que falas, principalmente em relação aos últimos quase 7 anos, quando passei a atuar numa função que envolve atendimento ao público.
Tentamos fazer a diferença. Felizmente, isso é percebido pelas pessoas.