quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Histriônico

Acabei de saber, de fonte que teve os documentos em mãos, que dia desses um advogado tentou impetrar habeas corpus no plantão judiciário, que se destina tão somente a constrangimentos à liberdade praticados fora do expediente judiciário normal. Já estava errado por isso. Mas vocês não imaginam o motivo da impetração. Simplesmente, o objetivo era obter saída temporária para um preso, a fim de que ele possa assistir ao jogo da seleção brasileira no próximo dia 28!
E para aumentar o bizarro do causo, não havia pedido algum para o juízo da execução penal. Em supressão de instância, o sujeito queria protocolar o pedido diretamente no tribunal.
E ainda se aborreceu quando não quiseram receber...
O caso é tão surreal que nem sei em qual marcador classificar esta postagem.

4 comentários:

Anônimo disse...

Esse caso deveria ir pro "mundo estranho" do portal do G1. =D

Anônimo disse...

O meliante deve ser playboy, com certeza. Os ingressos não estão lá muito baratos e a falta de respeito e tato tem tudo a ver com escória endinheirada.

Anônimo disse...

Por que a cúpula da reitoria da UFPA tem dedicado tanto apreço por um dos maiores fraudadores da história da ciência brasileira?
============

ENTIDADE FAZ CURSO COM CONDENADO POR PLÁGIO
http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=78939
http://www.rc.unesp.br/ib/dta/Portarias2008/Pt025-2008.doc

http://cienciabrasil.blogspot.com/2011/07/um-recado-que-acabo-de-receber-de-um.html

Yúdice Andrade disse...

É o "mundo estranho jurídico", sem dúvida.

Das 1h18, considerando a desnecessidade de comprovar que o apenado esteve no jogo, pois seu único compromisso seria retornar à casa penal na hora aprazada, na prática ele poderia sair para fazer qualquer coisa.
Logo, não necessariamente é um playboy.

Das 8h54, até acessei os links enviados, mas não alcancei a completude da sua crítica.