segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Falando em trânsito

Já que tocamos na questão do trânsito, você gostou do destaque que o Fantástico de ontem deu à região metropolitana da nossa Belém? Estivemos na mídia nacional, de novo, nestes termos:

Início da Belém-Brasília, a BR-316, na sexta-feira passada, final da tarde. Este trecho de 20 quilômetros da Região Metropolitana de Belém é o que mais mata no país, segundo a Polícia Rodoviária Federal. Nas quatro horas em que o Fantástico acompanhou o trabalho dos policiais em Belém, aconteceram dez acidentes.

O pior é que, ao contrário dos trabalhos daquele outro cidadão, a reportagem de Sônia Bridi não teve a intenção de esculachar; não foi valorativa, limitando-se a apresentar dados atribuídos à Polícia Rodoviária Federal. E nós, que trafegamos pela região mencionada, sabemos que o caos é verdadeiro e cotidiano. Veja um pouco do que a reportagem mostrou (veja o vídeo):


Eis o nosso conhecidíssimo complexo viário do Entroncamento, comprovando a localização dos jornalistas:


Este jegue jogou o carro para o lado sem mais nem menos: de repente e sem sinalizar. A van não teve como impedir a colisão. Isto prova que nem sempre a culpa é do condutor da van clandestina...










Dois garis se equilibram entre a boleia e a caçamba do caminhão que recolhe lixo. Transporte ilegal e perigosíssimo. E os dois ainda erguem os dois braços e gritam, divertindo-se ao se expor a um perigo ainda maior. Com o detalhe de que o caminhão é da Prefeitura de Belém, que tem dentre as suas competências, justamente, a fiscalização de trânsito nos limites do Município.






Eis aí o conhecido superintendente da Polícia Rodoviária Federal no Pará, Isnard Ferreira, agoniado, dizendo que sua equipe ainda não pode atender um chamado acerca de um acidente na estrada porque acabou de acontecer outro bem diante deles.
Tão Belém...

6 comentários:

Pacheco disse...

Já está mais que em tempo de reclarmos e, porquê não, gritar!! Ninguém faz nada para resolver isso!!!! Quando faz, traz gente de fora, que não conhece direito essa baderna, e acaba fazendo M (maiúsculo mesmo)!!!

Cid Pacheco
http://transitoblm.blogspot.com

Ana Miranda disse...

Não vi a matéria no Fantástico, mas pelo o que eu vi aqui no seu blog, sinto muito em te dizer isso, mas eu teria medo de dirigir em Belém, e olha que eu sou uma motorista muito consciente, educada no trânsito e conhecedora da legislação.

Yúdice Andrade disse...

Este grito precisa ser sistematizado, Cid. Precisa ter conhecimento de causa e se materializar numa proposta plausível. Aí sim faríamos a diferença.
De minha parte, posso diagnosticar problemas, mas não disponho do conhecimento técnico para atacá-los. Poderíamos cobrar das autoridades, portanto, estudos técnicos - breves! - para isso. Já seria um começo.

Anônimo disse...

Caro professor Yudice
Sou sua quase aluna (não tive essa honra) do CESUPA, Marilena Vasconcelos.
Como vemos, não se pode atribuir a todos os motoristas a culpa pelos desmandos de um Poder Público OMISSO, INCOMPETENTE E QUE AINDA TEM A CARA DE PAU DE SE ESCUSAR DE SUAS RESPONSABILIDADES HUMILHANDO A TODA UMA POPULAÇÃO QUE PRECISA SE DESLOCAR DIARIAMENTE PARA TRABALHAR PARA MANTÊ-LO$$$ NO PODER.
Esse BURACO MAIS CARO E DEMORADO DO MUNDO rendeu a muitos que estavam no poder muitos DIVIDENDOS$$$$$$$$$$ e eles fizeram uma verdadeira bagunça da vida dos cidadãos e ainda os chamam de bêbados e irresponsáveis!!!
Por que não continuam a abertura da João Paulo II, pelo menos até passar pelo gargalo da Castanheira?????? Isso ninguém fala.

Yúdice Andrade disse...

Marilena, não sei por qual motivo real e concreto a Av. João Paulo II estagnou mais uma vez, além da habitual incompetência da gestão municipal. Sem maior conhecimento de causa, penso que o prolongamento deveria ser garantido até o limite com Ananindeua, quando então a competência passaria a ser do Município vizinho.
Passando pelo local, vemos que a avenida acaba de cara para umas casas, que provavelmente precisariam ser desapropriadas, o que gera custos financeiros e sociais relevantes. Uma alternativa seria contornar essas casas, mas para isso a via teria que se aproximar dos mananciais do complexo Bolonha-Água Preta, o que me leva a questionar se a medida seria segura para o meio ambiente.
Enfim, solução técnica existe, mas talvez não com os governantes que temos.

Pacheco disse...

"O povo tem os governantes que merece." O francês Joseph De Maistre(1753-1821) sabia que estava dizendo...

Cid Pacheco
Trânsito Caótico de Belém
http://transitoblm.blogspot.com/