quarta-feira, 13 de julho de 2011

O que é demais já não é o bastante

Amiga que mora em um edifício na Av. Castelo Branco me contou que, ontem à noite, os moradores se assustaram com um estrondo. Ocorrera um acidente em frente ao prédio: alguém perdera o controle do veículo e atingira outro carro, que estava estacionado junto ao meio fio. A mãe dessa minha amiga, que desceu para conferir, relatou os piores aspectos do acontecido.
Ao chegar na rua, ela se deparou com uns molecotes, bêbados, pulando em cima do carro, um Fusion preto. O pirralho motorista gritava que queria uma perda total, pois assim "o papai vai me dar um branco".


Um brinquedinho que não sai por menos de 83.660 reais.
E que mata.
Obviamente, o jovem brasileiro causador do acidente não estava nem um pouco impressionado com o risco que correra de ferir a si mesmo, um de seus colegas ou algum transeunte. Nem estava minimamente preocupado com o prejuízo causado ao dono do carro avariado. Pensar nesses detalhes deve ser coisa de gente idiota. Felizmente, não havia nenhum agente de trânsito ou policial no local, senão seria necessário colocá-lo em seu devido lugar. Afinal de contas, o papai... Sabe como é.
Você já entendeu onde quero chegar. Mas nem tenho ânimo para tecer críticas. Deixo ao bom senso o papel de pensar nelas.

7 comentários:

Alexandre José França Carvalho disse...

Caro Professor Yúdice,

O comportamento dos jovens hoje em dia, chega a níveis alarmantes. Cria-se uma geração em que tudo pode, sem consequências. Para a reflexão desta questão, que completa este fato por você relatado, indico a leitura do artigo de Eliane Brum, disponível no site da revista Época, merece a leitura http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html

Anônimo disse...

Acho que a mãe dessa sua amiga deve ter ouvido errado, porque alguém que fala essas coisas acha carro branco carro de taxista.

Anônimo disse...

Anônimo das 11:02, hoje está em voga entre a "classe AA" a cor branca entre os carros top de linha, inclusive, com cobrança a mais por ser desta. Aliás, façamos justiça aos taxistas honestos, merecem nosso total respeito.

Yúdice Andrade disse...

Agradeço a indicação, Alexandre. Muito bom o texto.

Das 1h02, creio que o anônimo das 10h58 esclareceu a questão. Confesso que não sabia desse status todo dado aos carros brancos, atualmente, até porque detesto carro branco e jamais teria um, por vontade própria.
Seja como for, independentemente de cores, o fato de o moleque não se importar em perder um carro porque ganhará outro já basta para passar a mensagem pretendida.

Ana Miranda disse...

Fiquei com um dó muito grande desse filho.
Esse pai é um canalha, um crápula, como ele pôde não dar ao seu filhinho querido um carro na cor que ele queria???
Esse pai horroroso deveria ir preso!!!


Ele deveria ir preso por ter dado continuidade a um éspecime de tão baixa qualidade.
Como um mer** desse pôde ter filhos? Uma porcaria dessa deveria ser capada assim que se descobre que ele é um babaca.
Afffffffffffffffffffffff.

Yúdice Andrade disse...

Ahahahahahah!!!
Ana, eu também penso que a natureza não é tão sábia assim, justamente por permitir que certos espécimes procriem!

Luiza Duarte Leão disse...

Você viu o caso da advogada que ultrapassou o sinal vermelho, por segurança, como todos nós fazemos, e foi atingida por um Porsche a 150km/h? Ela morreu na hora e, enquanto tentavam reanimá-la e tirá-lá dos escombros, o playboy ligava pro pai e pros amigos pra avisar QUE O CARRO DELE TINHA FICADO DESTRUÍDO.
Ainda que ela estivesse "errada", ao ultrapassar o sinal, ninguém dotado de humanidades estaria preocupado em apurar responsabilidades, naquela hora. E muito menos estaria preocupado com uma droga de carro.