sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Escola: primeira visita

A despeito do percalço descrito na postagem anterior, eu e Polyana finalmente realizamos nossa primeira visita, na tarde de ontem. Infelizmente, por uma falha de comunicação, não sabíamos que as turmas são todas matinais, de modo que a instituição nos abriu suas portas quando estava vazia, silenciosa, com meia dúzia de funcionários e sem condições de nos exibir suas dinâmicas em plena atividade.
Fomos, entretanto, recebidos com gentileza e interesse. Pemitiram-nos percorrer salas de aula, banheiro, brinquedoteca, área de lazer. Algumas perguntas foram respondidas a contento e outras ficaram pendentes apenas porque nossa guia integra o corpo administrativo, não podendo esclarecer quanto aos métodos e procedimentos educacionais propriamente ditos. Isto ficará para o nosso retorno, quando então esperamos ver a escola como ela é, de verdade.
Foi, por assim dizer, apenas um ensaio. Mas já teve a sua utilidade. Afinal, orienta-nos ao que observar e questionar, no momento oportuno.

2 comentários:

Frederico Guerreiro disse...

Acho que o aspecto da praticidade também deve ser levado em conta. Manter filhos pequenos na escola dá trabalho, ainda mais se a escola for distante de casa.
Nessa fase muito tenra, o importante é a socialização da criança, aprender a conviver com outras crianças e passar a ter uma visão diferente do mundo enclausurado em que vive.
Por isso, pensem numa escola que estimule a capacidade cognitiva por meio de atividades lúdicas de coordenação motora grossa e sociabilidade, mas que não seja tão longe de casa, para não jogar fora todo um trabalho por causa do estresse do trânsito, da violência etc.
Meu mais velho estudou na Escolinha Mendara (não é da elite e é pertinho da casa de vocês) e, embora eu não tenha me dado muito bem com a diretora (proprietária), isso não afetou em nada a educação dele, e eu e minha esposa podíamos ir buscá-lo todos os dias, sem grandes complicações. Quando mais velhinho um pouquinho (rsss...), aí sim coloquei-o numa escola tradicional.
É isso. Sucesso para a Julinha.
Abraço a todos

Yúdice Andrade disse...

Tenho uma prima que estudou na Escolinha Mendara. Guardamos boas lembranças de lá. Nunca tivemos nenhum problema, que me lembre. Tivemos quando ela mudou para o Impacto e foi logo de cara.
A Escolinha Mendara receberá a nossa visita. Não podemos simplesmente ignorar a proximidade de nossa casa e ela tem 30 anos de funcionamento, tem um nome respeitável, um espaço agradável. Enfim, também será avaliada. Não partimos do pressuposto de que escola é boa tem que ser grande ou rica. Pelo contrário, isso pode trazer grandes dissabores.