terça-feira, 14 de setembro de 2010

A retórica da violência

Nota publicada hoje no "Repórter Diário":

É difícil especular sobre certas coisas, mas vamos lá. Se eu fosse ladrão e me metesse num ataque desses, provavelmente só falaria às vítimas aquilo que desejasse fosse por elas executado. Não conversaria sequer com meus comparsas, para não deixar escapar nenhuma informação que pudesse contribuir para a nossa prisão. E, com certeza, não tentaria deixar nenhuma mensagem de efeito, capaz de me tornar especialmente visado pelas autoridades e pela opinião pública.
Ao recomendarem "voto consciente para combater a violência", estes assaltantes assumem uma postura de singular cinismo. Ou talvez seja uma forma de externar que eles não se consideram violentos, já que tiveram a preocupação de não machucar ninguém. Talvez eles achem que os outros é que são violentos.
Enfim, se o assalto em si já é um drama, assalto com deboche ninguém merece. Mas pior mesmo seria a violência...

4 comentários:

Ana Miranda disse...

Ah, caro Yúdice, eu chamo isso de tortura psicológica, que é tão ruim quanto a violência física...
Ser assaltado e ainda ser debochado???
Eu ficaria com vontade de mandá-los a PQP, aliás, se fosse na época de TPM, mandaria mesmo.

Anônimo disse...

O que esperar de tais assaltantes?
O exemplo de cinismo está ai na TV diariamente com políticos zombando de nossa cara e de nossa inteligencia.
Anna Lins

Rubens disse...

Por isso que eu sempre penso muito bem antes de dar meu voto ... me ajudem nessa missão de não deixar as pessoas serem ludibriadas por qualquer candidato !!!

Vamos dar valor ao nosso voto, por isso divulguem o resultado da:

“Avaliação dos Deputados Estaduais de São Paulo – Eleições 2010″

feita pelo movimento voto consciente.

Convido à todos que entrem nesse link e vejam o resultado dessa avaliação e pensem nela na hora de dar o seu voto!

http://bit.ly/cCbJzi

*(link modificado para contagem de acessos)

Yúdice Andrade disse...

Sem dúvida, Ana, que a tortura psicológica pode ser até pior do que a física. Nesse caso específico não sei se foi a intenção dos criminosos, mas sem dúvida que aumenta consideravelmente o nosso mal estar.
Ignoro como são os assaltantes de Juiz de Fora, mas os de Belém não teriam a menor paciência com a tua TPM e o resultado seria desastroso. Por via das dúvidas, convém ficar quieto.

E a mensagem foi focada justamente nos políticos, Anna. Questão de afinidade, talvez?

Agradeço a indicação, Rubens. Deveria haver iniciativas do gênero em todos os Estados.