segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Moça perigosa

Na primeira semana de agosto último, quando me apresentei a minhas novas turmas de Direito Penal I, uma aluna me procurou para informar que precisaria faltar, por motivo de trabalho, algumas terças-feiras. Mas disse que suas viagens de trabalho eram programadas e ela sabia exatamente quando viajaria e quando isso terminaria. No desenrolar da conversa, soube que ela trabalha na Receita Federal e que participava de "uma coisa grande". Enigmática e muito profissional, não forneceu a menor pista do que estava fazendo (nem eu perguntei, claro, porque compreendo perfeitamente o conceito de sigilo profissional). Disse-me apenas que, quando a bomba estourasse, tomaríamos conhecimento através da imprensa.
Confesso que fiquei curioso. De vez em quando, ao me lembrar desse breve diálogo, eu me perguntava qual seria a tramoia que a Receita Federal revelaria.
Sexta-feira passada, a aluna veio me dizer que suas viagens acabaram. O escândalo já está no ar: trata-se do poderoso esquema de corrupção no Amapá, com ramificações em outros Estados, que rendeu a prisão até do governador amapaense. Uma força-tarefa envolvendo vários órgãos (a Receita Federal era apenas um deles) fez uma devassa no Executivo do Estado vizinho e descobriu tenebrosas transações. A Polícia Federal fez as prisões e os presos estão à disposição do Superior Tribunal de Justiça, onde corre o processo devido ao foro privilegiado do governador, um dos acusados.
Agora é aguardar os desdobramentos.

5 comentários:

Ana Miranda disse...

É dessa justiça que eu tenho orgulho!!!

André Coelho disse...

Essa aluna ainda vai fazer prova ou já passou direto, Yúdice?

Yúdice Andrade disse...

Calma, Ana. A coisa está só no início. Sabemos que prender, a Polícia Federal prende. Mas o que acontece depois é outra história...
Seja como for, vamos evitar por ora o pré-julgamento. Afinal, como sempre repete o nosso presidente Lula, não se pode acusar sem provas...

Ahahahahahahahah!!!
Que satisfação te encontrar por aqui, André! Vejo que o mestrado te deixou um tempinho livre.
Por enquanto, penso que ela fará prova. Mas como ela trabalha na inteligênca da Receita, de repente me bateu uma dúvida...
Um abraço.

Victor Rabelo disse...

Caro professor, lhe darei uma preciosa dica para conseguir essas informações mais rapidamente, eu chamo, carinhosamente, de tráfico de pontos. Todos os alunos são compráveis alguns com 1 pt, casos urgentes exigem uns 10pts, mas acho que o caso seria caso grave: passar direto de semestre. Espero, sinceramente, que o senhor não lembre desse pequeno comentário ao corrigir minha prova... hahahhahahaha. Um abraço!

P.S: Antes de clicar no "enviar" precisa ratificar que é uma brincadeira, afinal, EU SEI que isso irá me preocupar na hora em que eu estiver resolvendo as questões das provas em meu inato nervosismo... hahaha

Yúdice Andrade disse...

Sei não, Victor... Acho que no dia da prova o teu comentário estará vívido em minha mente. E eu não li o PS.