domingo, 30 de janeiro de 2011

Mais um marco do blog


Para animar a minha manhã, constato que o blog acaba de passar da marca dos 250 mil acessos, como demonstra o print screen do contador. Ontem à noite, observei que ainda faltavam 15 acessos para esse quantitativo. Na dúvida, entenderei que a marca foi alcançada já neste dia 30 de janeiro. Assim, foram necessários quatro anos e cinco meses para obtê-la (início das atividades em 31.8.2006). Daí resulta que, se eu obtiver a ambicionada marca de um milhão antes de 30 de abril de 2024, estarei no lucro!
Se o blog chegar até lá (não dá para saber nem se eu chegarei lá), o seu perfil estará completamente diferente. Eu não terei mais, p. ex., a presença de comentaristas queridas, como a Ana Miranda e a Luiza Leão. A primeira estará ocupada com seus netos e a segunda, com seus filhos pré-adolescentes. O Bruno Brasil estará prometendo enfrentar um número maior de Círios na corda... O Adrian Barbosa, profissional há cerca de uma década, já será um homem bem sucedido. Quanta coisa terá mudado!
Mas enquanto isso, quero lhes dar abraços agradecidos e calorosos, em reconhecimento a condescendência que os faz voltar aqui, tantas vezes, permitindo-me a sensação de que valeu a pena achar que alguém estava interessado na minha opinião. E isso vale também, claro, para os visitantes que não escrevem, mas que me ajudaram a gostar desses números que, como todo blogueiro, sempre valorizo.
Valeu, gente!

12 comentários:

Arthur Laércio Homci disse...

Parabéns, meu amigo. A marca só reflete a qualidade do espaço movido pelas suas idéias!

Luiza Duarte Leão disse...

Ah, querido Yúdice, se estivermos vivos, eu, você e o blog, eu certamente estarei por aqui, a não ser que as coisas mudem muito mesmo.
Minha admiração por você, como homem, marido, pai, professor, funcionário, cidadão e blogueiro é imensa.
Isso não me impede, contudo de lhe dar um puxão de orelha: porque eu estarei cuidando dos meus filhos pré-adolescentes e o Adrian Barbosa será um homem bem-sucedido? Não poderia ser o contrário? Ou que ambos estivéssemos ocupados com afazeres profissionais e filhos?Está vendo como, instintivamente, reproduzimos certos estereótipos?
De qualquer forma, EU SEI que foi mero exemplo e que você não compactua com eles, mas me chamou atenção que mesmo uma pessoa como você acabe caindo nessa armadilha. E eu sou uma feminista xiita, definitivamente! haha
Desculpe a brincadeira, ADOREI ser citada, de verdade.
Abraços e muito sucesso ao blog!

Anônimo disse...

Parabéns, Yudice.
Sou aluno do cesupa, mas ainda não fui seu aluno. Mesmo nao tendo sido seu aluno, acompanho seu blog desde o início do ano passado, e o considero uma leitura extremamente agradável. Acredito que em 2024 quando você atingir sua ambicionada milionésima visita, eu possa estar lhe acompanhando não como aluno do cesupa, mas seu colega de docência.

Vida longa ao arbítrio.

Yúdice Andrade disse...

Qualidade sem nenhuma sem vocês, Arthur.

Luiza, se pudesses me ver, perceberias que fiquei mais vermelho do que os tons de fundo do blog. Nem tenho o que argumentar: com efeito, mesmo sem saber, nós reproduzimos os estereótipos de gênero sob os quais fomos criados. É um fato. E acabei de cair nele.
Não vale dizer que pensei em ti e na Ana primeiro, porque a coloquei também como avó, e não como, talvez, uma ativista dos direitos de moradia em Minas Gerais. Deve ser sintoma da SIM (síndrome inconsciente do macho).
Então fiquemos assim: o Adrian será um bem sucedido pai de família com atuação no Direito e tu serás que uma bem sucedida mãe de pré-adolescentes com atuação no Direito!

Das 11h32, por que não me disseste teu nome? Poderíamos bater um papo lá pelo CESUPA. Agradeço a atenção que me é dispensada. Quem sabe ainda trabalhemos juntos por lá.

Anônimo disse...

Defesa do Yudice: a Luísa já pode ser (e apesar de não conhecer ela, parece ser) uma profissional bem sucedida, já é graduada, o Adrian ainda não está formado.
Logo a Luísa pode ser uma profissional bem sucedida como operadora do direito desde já, enquando o Adrian ainda está trabalhando nisso.

toniachalu disse...

Yúdice, mesmo não comentando sempre as suas postagens, saiba que eu visito diariamente seu blog. Assim que chego no trabalho, ou que acordo nos finais de semana, eu venho aqui alimentar a minha mente de coisas engraçadas, inteligentes e muito interessantes.
Meus estagiários estão viciados no seu blog. O número das visitas de São Paulo aumentou recentemente? hehehehehehehe
Parabéns, querido.
EM 2.024 estaremos todos aqui. E só Deus sabe o que eu estarei fazendo. ;)

Yúdice Andrade disse...

Agradeço a gentileza, das 16h33, mas a Luiza é muito querida e suas palavras são sempre bem vindas. Como já disse antes, no fundo ela tem razão. Mesmo analisando sob a premissa que colocaste, a conclusão seria a mesma. Mas isto é debate entre amigos, felizmente!

Achei curioso mencionares "coisas engraçadas", Tonia. Se bem que uma vez me disseram que sou tão ranzinza que chego a ser engraçado!
Agradeço essa tua atenção toda comigo, já o sabes. E fico em feliz de saber que os estagiários paulistas encontraram alguma fonte de interesse neste blog que fala, quase sempre, das mazelas desta pequena cidade.
Forte abraço.

Luiza Duarte Leão disse...

Acredito que a reformulação ficou boa tanto para mim quanto para o Adrian. Sorte e competência no trabalho e na família, por favor! Acho que eu só serei feliz de fato com essa combinação. Um não substitui o outro.
Mas não se envergonhe, Yúdice. É um pensamento arraigado, que eu sei que você não acredita de fato. Tenho que certeza que, em 2024, quando a Julia estiver no ensino médio, você já estará se preocupando com a carreira que ela vai escolher.
Abraços.

Adrian Barbosa e Silva disse...

Fiquei surpreso de ver meu nome sendo citado, tanto no post quanto nos comentários, ainda mais por ter sido alvo do presságio e dos bons auspícios de meu querido professor (é sempre motivador para um pupilo ver seu mestre tecendo elogios e comentários agradáveis a seu respeito, ainda mais quando o segundo acredita no potencial do primeiro).

Me senti privilegiado. Creio que os outros citados também o sentiram.

Verdade é que, como todos já devem ter percebido, que este espaço está eivado de sucesso. O Autor, apesar de se considerar um ranzinza, é sempre tão querido, e lido (quanto à comparação com Tim Maia, lembro que eu admiro quem tem voz ativa, porque é condição imprescindível para qualquer mudança), enquanto os leitores, participam e argumentam – podem falar e esperar uma resposta – o que acaba resultando no debate. O intento.

Lembro: a despeito de ultimamente não ter comparecido muitas vezes por aqui - traçando meus pontos de vistas acerca das postagens -, estou sempre presente observando e lendo o que o sr cria, repassa, imagina, crê, se estarrece e se despreza, professor.

De modo geral, fiquei bastante grato com a citação, obrigado. Fato é que pretendo (sim!) ser um grande profissional - estou construindo a muralha colocando os tijolos aos poucos -, mas não pretendo ser pai tão cedo, mas quem sabe lá pelos 26... (rs)

Abraços!

Ana Miranda disse...

Buáááááááááááááááááá...
Yúdice, o que você fez com meu cometário???
Você não gosta mais de mim????
Buáááááááááááááááááá...
Eu fiquei toda feliz, "se" achando por ter sido citada e você não postou meu cometário...
Buáááááááááááááááááá...

Luiz disse...

Parabéns, tomei contato com o blog através de um amigo e virei fã pela diversidade de assuntos bem abordados. É um formador de opinião.

Yúdice Andrade disse...

Já desestressei, Luiza. Mas na hora me senti mal, sim. Não por tua causa, mas por perceber que também em mim há tantos vícios arraigados.

Gosto de citar pessoas, Adrian. No blog não seria diferente. E como não te devo dinheiro, podes estar certo de que escrevi aquilo em que realmente acredito.

Ana, jamais excluí um comentário teu. Não sei o que aconteceu, mas deve ter sido uma falha informática. Todos os comentários feitos a esta postagem foram publicados. Imagina se eu te alijaria da festa!

Muito obrigado, Luiz. Espero sugerir boas opiniões. Abraço.