sexta-feira, 4 de março de 2011

Fora do casamento

Portman, ao lado do noivo, chegando para
a premiação do Oscar, há uma semana
Natalie Portman é linda, é fofa, é politicamente engajada, é uma atriz excepcional e está vivendo o melhor momento de sua vida, colhendo os louros do filme Cisne negro, cuja atuação arrebatadora lhe rendeu diversos prêmios. Daqui por diante, ninguém duvidará de ser uma das maiores atrizes de sua geração.
Todo mundo adora Natalie, certo? Errado. Existe gente para tudo no mundo, inclusive para repudiar a garota e por um motivo contundente: ela se orgulha de estar grávida sem ser casada!
O reproche foi lançado sobre a atriz, que em junho completará 30 anos, por um político e apresentador de televisão. E não foi um político do conturbado Estado de Israel (Portman é israelense), mas um ocidental, habitante da tal terra da liberdade: o ex-governador do Estado de Arkansas, Mike Huckabee. O camarada acha que crianças só devem advir de casamentos, ainda mais devido ao risco de o Estado ter que arcar com as consequências posteriormente.
Michael Dale Huckabee é um republicano de 55 anos, que tentou se lançar candidato à presidência dos Estados Unidos (com o apoio de Chuck Norris). É pastor da Igreja Batista e muito conhecido por suas ideias conservadoras. Se quiser conhecê-lo melhor, vá direto à fonte.


Eu prefiro Natalie Portman. Pessoalmente, nunca quis ter um filho fora do casamento. Não que eu veja algum mal nisso, mas porque sou fruto de uma família que se dissolveu cedo e, das neuras que me ficaram (não são poucas), sempre houve o sentimento de que eu queria fazer parte de uma família com papai, mamãe, filhinha, cachorro e casa própria. Mas isso como escolha estritamente pessoal, sem valer como sugestão para a vida de mais ninguém. Afinal, o importante é ser feliz.

5 comentários:

Lilica disse...

Coisa de norte americano moralista. Cheio de idéias que ele, supõe, salvadora do mundo. Americano se acha...mas é um mer..

Yúdice Andrade disse...

Eu realmente não consigo entender a bipolaridade dos valores estadunidenses, Lilica.

caio disse...

"Vida. Liberdade. Busca da Felicidade". Para as duas últimas, lle poderia ter escolhido palavras-chave da Declaração de Independência dos EUA mais condizentes consigo para o seu slogan...

Luiza Duarte Leão disse...

Apesar de eu ter me casado, tenho certeza que em nada mudaria a minha relação se eu só morasse junto com o Eduardo.
Juridicamente, o casamento civil evita muitos transtornos. Pessoalmente, meu pai ficou mais tranquilo e eu gostei bastante de comemorar uma nova fase (a união de vida e não um papel assinado) com as pessoas que eu amo.
Também acho que o ideal de família seja papai, mamãe e filhinhos, mas, ao menos para mim, isso independe do papel. Se papai e mamãe estiverem juntos, felizes e comprometidos, já tenho meu modelo perfeito.

Yúdice Andrade disse...

Se ele escolhe algo mais parecido consigo mesmo, Caio, provavelmente não faria tanto sucesso.

Então, pelo visto, temos mais alguma coisa em comum, Luiza. Infelizmente, apenas na ideia, já que a minha família não subsistiu, como a tua.