sexta-feira, 18 de março de 2011

Havia um bom motivo

Pode não parecer, mas não sou do tipo que procura motivos para falar mal de representantes eleitos. Some-se a isso minha simpatia pela figura de Dilma Rousseff, inclusive por seu passado guerrilheiro que os desinformados adoram denegrir. Além disso, ela vem correspondendo às expectativas quanto a se comportar como uma gestora, não como uma política, administrando o país sem estardalhaço e com foco em objetivos.
Por isso, estranhei quando ouvi falar de uma audiência por ela concedida à cantora Shakira. Nada tenho contra a bela colombiana, embora deva admitir minha incapacidade de citar o título de uma única canção por ela gravada. Aliás, se algum dia escutei a moça cantar, nem cheguei a saber que era ela.
Reconheço que todo chefe de Estado precisa fazer médias e cenas, de vez em quando, mas me perguntei a razão de a presidenta interromper o trabalho para receber uma celebridade da música. Procurei saber e descobri que a moça pediu o encontro para propor uma parceria em um campo que, desde a gestão lulista, era um dos principais objetivos do governo: a erradicação da pobreza. Shakira quer combater a miséria na América Latina, com especial atenção para as crianças. E começou fazendo uma doação: um violação autografado, que será leiloado.
Mesmo o detestável mundo das celebridades não desconhece a existência de gente valorosa e engajada. Felizmente, não somos obrigados a tolerar apenas gente do quilate de Paris Hilton ou Susana Vieira. Também existe um John Travolta, que encheu o seu imenso avião particular (um Boeing 707) de donativos e foi pilotando entregá-los as vítimas do terremoto no Haiti, no ano passado. Existe uma Angelina Jolie, que a despeito de seus filmes bobocas sempre se ocupou de causas nobres e acabou nomeada embaixadora da ONU. E para citar um nome brasileiro, a linda Letícia Sabatella, às voltas com movimentos sociais.
Shakira surge nessa lista, cumprindo um papel que se pode esperar de alguém que, dada a sua fama a influência, pode ajudar a melhorar as condições de vida num continente historicamente expoliado, marcado por profundas desigualdades sociais, pelo menosprezo aos povos tradicionais e por regimes políticos de exceção. Parabéns a ela.

4 comentários:

Luiza Duarte Leão disse...

Três pontos:

1) Também acho que o passado guerrilheiro da Dilma é uma qualidade e não uma coisa a ser escondida.

2) A Shakira mantém, desde os 18 anos, uma entidade de ajuda a crianças carentes na Colômbia, a "Pies Descalzos".

3) As músicas dela tem claro apelo comercial, mas são ótimas com fins de mero entretenimento. Ela tem uma voz linda e o ritmo é ótimo pra dançar.

Ou seja, acho que valeu a visita, pelo segundo ponto e, pelo terceiro, vale dar uma chance, se tiver alguma inclinação para a música pop. :)

Andre disse...

Amigo Yúdice. Só para complementar sua informação.

A Shakira não está exatamente começando na luta pela erradicação da pobreza.

Ela mantém, na Colômbia, a Fundación Pies Descalzos, fundada em 2003, que dá educação, alimentação e apoio psicológico a mais de 4.000 crianças carentes.

É também, desde 2003, embaixadora da Unicef.

Por último, sugiro que experimente escutá-la. Das cantoras pops é a que mais tenho simpatia.

Yúdice Andrade disse...

Luiza e André, fico feliz de saber que Shakira já trabalha há tanto tempo. Parabéns para ela. Aliás, devo dizer que o nome da fundação é muito bonito, comovente até. Algo da emotividade própria dos latinos.
No mais, qualquer hora dessas vou escutar o trabalho da moça.

Liandro Faro disse...

Eu recomendo... rsrss