quinta-feira, 24 de março de 2011

Inominável

Certas espécies de animais selvagens, predadoras por natureza, caçam em bando, cercam o alvo que não lhes pode oferecer resistência e dão o bote. Assim fazem as hienas e guepardos, mas também é o procedimento de outra espécie animal, cuja pele é guarnecida de uniformes. Refiro-me a certos psicopatas que, ingressando na carreira das polícias militares, acabam por levar ao descrédito e ao menosprezo a corporação como um todo.

Observe as mãos unidas, quiçá em oração.
 O episódio da vez é a quase execução sumária de um adolescente de 14 anos, em Manaus. O horror se deu em 17 de agosto passado, mas somente agora veio a público.
A matéria que li e o vídeo que pode ser visto através dela não indicam os motivos pelos quais o garoto caiu nas mãos desses matadores, mas é importante destacar que o muro junto ao qual ele tenta se proteger é o de sua própria casa e que a jornalista narradora informa que, se a filmagem tivesse áudio, escutaríamos os gritos da mãe, implorando pela vida do filho.
Cinco tiros à queima-roupa. Por estranho que pareça, a proximidade dos disparos evitou que as lesões fossem mais graves e permitiu a recuperação do rapaz, que agora se encontra inserido no Programa de Proteção à Testemunha, juntamente com seus familiares. Um programa cuja eficiência eu realmente desconheço.
Em suma, chamem o bandido para proteger o cidadão! Sem mais o que dizer.

10 comentários:

André Coelho disse...

É claro que, para uma mente saudável, nada justifica uma coisa dessas. Mas fico curioso para saber o que, na mente doentia desses psicopatas, atuava como justificativa suficiente para um ato dessa covardia.

Anônimo disse...

Infelizmente notícias assim dão cada vez mais margem às defesas de vagabundos que saqueiam o patrimônio alheio todos os dias. Por conta de uma operação policial equivocada, paga toda a corporação. Para que chamar os bandidos para proteger o cidadão, se eles já estão nas ruas fazendo o que bem entendem a todo momento?
Um ou outro é pego, de vez em quando, e por vezes tem o azar de encontrar policiais tentando tornar a sociedade mais segura, o que não é a visão partilhada por todos, infelizmente.
Imagine conseguir que façam isso aqui no Brasil: http://historiaedebate.blogspot.com/2010/10/juiz-obriga-ladrao-exibir-cartaz-sobre.html
Seria o caos e seria capaz até do juiz responsável ser demitido e tudo o mais o que coubesse administrativamente.
Boa sorte aos cidadãos de bem, em uma sociedade onde o bandido é venerado e a polícia e a justiça tratadas como lixo.

Yúdice Andrade disse...

Também tenho essa curiosidade às vezes, André. Desconheço coisas do gênero no Brasil, mas nos Estados Unidos volta e meia tem gente querendo estudar a mente e o comportamento de psicopatas que se encontram presos.
Para além da curiosidade mórbida, deve-se contar com a possibilidade de obter alçgum resultado útil dessa investigação.

Das 9h58, só espero que você não esteja cometendo a asneira de dizer eu glorifico bandidos. A começar pelo fato de que, até o presente momento, não se sabe a razão pela qual os policiais atacaram o jovem. Não há informação de que fosse apontado como autor de nenhum delito. E mesmo que fosse um criminoso, dois óbices precisariam ser lembrados: 1) no Brasil não se aplica a pena de morte; 2) fosse o caso de aplicar alguma pena, ela dependeria de decisão judicial, após um processo regular. Não existe espaço para a execução sumária no ordenamento jurídico brasileiro.
Ao "interpretar" (se é que se pode dizer isso) minha ironia de chamar o bandido para proteger o cidadão ao pé da letra, pressupondo que os policiais desse episódio tentavam "tornar a sociedade mais segura" e enveredando pelos velho e cansativo clichê do "cidadão de bem", você empobrece o debate. Aliás, não dá margem nem que se inicie um debate, porque não há tempo a perder com esses protestos vazios que escutamos o tempo inteiro.
Instrua-se primeiro, por gentileza. Você será o primeiro beneficiado.

André Coelho disse...

Tem fãs do Capitão Nascimento que acompanham o seu blog, Yúdice? hehehe

Anônimo disse...

Olho por olho e o mundo vai acabar ficando sego!

Maíra Barros de Souza disse...

Trabalhei um tempo em um local que me possibilitou conhecer de perto toda a truculência de alguns membros da Polícia Militar (digo alguns,pra não cair no erro das generalizações.
To aqui, tremendo de raiva com essa matéria, acho que fico mais indignada com acontecimentos dessa sorte do que com bandidos cometendo algum crime. Não que a segunda categoria não me indigne, mas quando aquele que é investido pra proteger os cidadãos e zelar pela "ordem" apronta uma dessas, dá uma sensação de desamparo tremenda.

Abraços professor.

Ana Miranda disse...

Pois é, enquanto a corrupção imperar nesse país, enquanto o dinheiro continuar sendo desviado para o bolso de um bando de FDP, nossas crianças crescem sem perspectiva alguma.
O que esperar de crianças que só conhecem o desamor, a crueldade, a falta de oportunidade?
Que elas sejam gentis? Que sejam honestas, vendo diariamente nos meios de comunicação o que fazem os políticos e que nada lhes acontece??? Que sejam "gente boa"?
Essas crianças são o reflexo do que vivem.

Anônimo disse...

Note o olhar de medo do garoto-criança.O que pensar diante de uma cena desta.São estes homens disfarçados de protetor da lei,que vivem nas ruas para nos dá segurança e nos mostra o seu lado mais cruel.Se usam de terror com uma criança,imagine o que não fariam com um adulto.A minha impressão é profundamente desprezível em relação a esse bando de bandido brincando de policia.

Yúdice Andrade disse...

Eles são mais frequentes do que imaginas, André. Mas o pior é que são uns sujeitos com nível muito abaixo ao do Nascimento.

Cegos, mutilados e doidos, das 10h38.

Maíra, esta sim é a verdadeira sensação de insegurança, concreta e plausível. Todos os dias vejo prisões serem decretadas pelos motivos mais presumidos do mundo. Mas quando o acusado é um policial, fica claro para mim o risco que sua liberdade representa, porque é um sujeito armado, porque o uso de violência é recorrente, porque há muito corporativismo, etc.

É isso mesmo que as pessoas esperam, Ana. Mesmo quando o seu próprio comportamento é diametralmente oposto, e tendo sido elas educadas, bem cuidadas, etc. A moralidade costuma ser exigida apenas dos outros.

Das 22h52, honestamente, não sei se hoje em dia há diferença entre crianças e adultos. Para um psicopata desses, só existem "vagabundos". E nessa categoria se incluem todos os que lhes provocam maus sentimentos, haja ou não motivos.

. disse...

Yúdice, quando vi essa matéria eu tremi.
Tremia de raiva, angústia, revolta, medo.

E não me revoltava só com o atentado contra o garoto. Mas pela agressão à imagem de uma corporação já tão abalada. E sei que lá ainda tem muita gente do bem. Acredite!