quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Como não se redige uma peça processual

Vocês já perceberam que ando com a paciência bastante prejudicada ultimamente, presumo. Aí eu chego no trabalho e tenho que aturar uma petição de habeas corpus redigida assim (transcrição literal, claro):

"...o que realmente se pode afirmar, é que se vive nessa malfadada operação um infeliz estado POLICIALESCO, onde se vêm só dois lados, um pujante e garboso composto pelo Magistrado pelo Delegado de Policia e membro do Parquet, e outro esfarrapado lado esse compostos por ADVOGADOS, que ficam rodeando os gabinetes de pires na mão mendigando seus basilares direitos e de seus clientes."

"E nessa batalha, de um lado o cidadão, hipossuficiente, de outro sua majestado o Estado, têm no cenário evolutivo contemporâneo duas pontas de um mesmo todo: Daquele lado o juz libertatis, inatingível, o maior de todos os bens jurídicos afetos à pessoa humana, e desse outro o juz puniendi cujo Estado é o titular absoluto."

"Desta feita, a candeia bruxuleante da justiça voltará a brilhar de forma constante, reluzindo o princípio constitucional da presunção de inocência ou da não culpabilidade do paciente antes de efetivamente condenado."

Por onde andarão a objetividade e a precisão, meu Deus do céu?

8 comentários:

Anônimo disse...

É nisso que dá gostar só de axé. Música só com vogal dá nisso. Ler só a Caras dá nisso. Tomar suco de abacaxi com ORTELAN no Big Mengão dá nisso.

Esse cara deve ser o mesmo que perguntou o que aqueles 33 mineiros de Belo Horizonte foram fazer em um buraco no Chile.

Acho que é mais produtivo ver tinta secar!!!

Kenneth

Frederico Guerreiro disse...

É um habeas corpus passional, sentimental, embora eu devesse dizer que não entendi mesmo foi pn.

Yúdice Andrade disse...

Kenneth, eu não conhecia a dos 33 mineiros de BH num buraco no Chile. Tive que me conter para não gargalhar e atrapalhar uma prova que estou aplicando!

O rapaz é audacioso, Fred. Diz que seu cliente é perseguido e faz considerações valorativas que poderiam irritar qualquer juiz. E eu tenho que aturar...

Ramon Bentes disse...

Caríssimo Kenneth,

Na qualidade de CHICLETEIRO com muita honra e orgulho, defendo a classe da cultura baiana que também produz ARTE. Nosso Bell Marques se enquadra nela.
Forte abraço ao querido e esatimado Amigo. Em 2012 estaremos de volta a Salvador, se o João permitir. Desde já o convido.

Ramon Bentes

Luiza Duarte Leão disse...

E como terminou a petição? Não foi com "JUSTIÇA!"?

Anônimo disse...

Caro Ramon

Já comecei a decorar as letras das músicas de axé. Até que não é lá muito difícil. Já estou na 2ª estrofe. Estrofe?

Você é um crédulo. Acredita que o Bell Marques( dois elles?)ainda será nomeado membro da Academia Brasileira de Letras !!!!

Pois eu ainda acho que a Ivete supera a todos. A uma, porque não faz letras só com vogais. A duas, porque a letra de CARRO VELHO é uma jóia rara na constelação dos axezeiros e nas letras nacionais.

Veja, Ramon, que maravilha de letra. Preste atenção nesse pedaço : " POIS EU SEI QUE AMAR À PÉ É LENHA" . Veja o requinte da crase. Sinta a rima. Pense nas diferenças de se amar à pé e amar EM pé. Exige esforço .

Digno de figurar ao lado de Rachel de Queiroz, Machado de Assis e Roberto Marinho. O Bial já já chega lá também. Afinal, escrever a biografia do patrão imortal não é para qualquer um.

Mesmo com esse teu grave defeito de axezeiro, você e Aline moram no meu coração. Afinal, não dá para ser perfeito em tudo, ainda que o Sardinha e a querida D. Helena tenham se esforçado. Deus é testemunha.

Abaixo, fica minha modesta contribuição aos saberes dos blogueiros.

Luiza, acho que a petição terminou sim com JUZTISSA!!!, e ele ainda colocou um S.M.Guizo. (ao menos acertou o Z)


Carro Velho
Ivete Sangalo
Composição: Ivete Sangalo / Ninha

Cheiro de pneu queimado
Carburador furado
Coração dilacerado
Quero meu negão do lado
Cabelo penteado
No meu carro envenenado...

Eu vou, eu vou, então venha
Pois eu sei
Que amar a pé, amor
É lenha...(2x)

Eu vou prá lá dançar
Seja noite ou seja dia
E se eu beber alguma, amor
Me guia...

Eu vou pra lá dançar
Seja noite ou seja dia
E se eu beber alguma, amor
Ouoo oh oh me guia...

Quer andar de carro velho, amor
Que venha
Pois eu sei que amar a pé, amor
É lenha...(2x)

Que venha...é lenha
Eu sei que amar a pé...

Quer andar de carro velho, amor
Que venha
Pois eu sei que amar a pé, amor
É lenha...(4x)

Bom fim de semana a todos

Kenneth

Yúdice Andrade disse...

E não é que de repente me vejo em meio a uma contenda entre antigos amigos, com todo o jeito de ser uma rivalidade de longa data?
Fico meio acanhado de me meter no imbróglio, já que se pode imaginar qual a minha opinião sobre o axé. E, para ser bem sincero, querido Ramon, sou obrigado a dizer que, de todos os artistas do axé, o Chiclete com Banana é o que mais me irrita, por causa de suas letras inovadoras, sempre variando ao infinito as formas de pronunciar a palavra "chiclete".
Nada pessoal, meu caro. Não me queiras mal. A provocação maior foi o Kenneth que fez!

Anônimo disse...

Caro Yúdice
Você acertou na mosca. A rivalidade é antiga. Há anos que o Ramon tenta me trazer para o " Movimento pela adoção de um português minimalista"
Nunca aceitei.

Kenneth