terça-feira, 17 de março de 2009

Marambaîa

Ideias interessantes em geral surgem espontaneamente, em qualquer lugar, inclusive num carrinho de cachorro-quente. Foi o que aconteceu com o nosso amigo virtual Wagner Okasaki, o Belenâmbulo, que durante um lanche decidiu conhecer a história do bairro em que mora, a gloriosa Marambaia. Sendo também o meu bairro, a ideia me chamou a atenção e, como sou um entusiasta da História e da memória, fiquei com a maior vontade de tornar esse pensamento vago uma realização, mesmo sem qualquer previsão de prazo, já que esse diletantismo terá que ficar para as réstias de tempo que tiver, sem qualquer prioridade.
Para se ter noção, nem sequer o significado da palavra "Marambaia" é fácil de saber. No atual pai-dos-burros dos internautas, a Wikipedia, só há menções a uma praia e a um bairro carioca com esse nome. Sei que no Rio de Janeiro há uma restinga da Marambaia, que pode ser quase uma redundância, pois segundo a única referência que encontrei, cuja confiabilidade não posso aferir, o termo tupi Marambaîa significaria, justamente, "restinga".
Por conseguinte, esta empreitada terá que ser braçal. Como não sou historiador nem tenho qualquer talento para esse tipo de investigação, penso que será necessário examinar documentos sobre o desenvolvimento da cidade (CODEM, talvez?), assim como conversar com pessoas que tenham morado no bairro antigamente.
Ficaríamos (já tomo a liberdade de falar pelo Wagner, também) muito gratos se alguém pudesse fornecer alguma informação sobre a Maramba de outrora: estilo de vida, lazer, meios de transporte, comércio, ocupação pela Marinha, construção dos conjuntos residenciais, etc. Ou indicar pessoas que possam saber.
Considero um absurdo que se dê, nas páginas oficiais, tanta importância aos pontos turísticos e se ignore por completo a história dos bairros. A cidade, antes de ser boa para os turistas, tem que ser boa para quem vive nela.

3 comentários:

Belenâmbulo disse...

Prezado Yúdice,

Pode incluir meu nome nesse projeto. Sem prazo... sem pressões... Assim é que é bom! Como vocês dizem lá no Flanar: "...dez mil coisas necessárias, imprescindíveis, que podem ficar eternamente adiadas."

Falando sobre seus projetos, não esqueci sua proposta de fotografar e eleger as 10 melhores utilidades para as bandeirolas amarelas de campanha. Sempre que vagueio, tento encontrar alguma, no entanto está difícil. O máximo que tenho visto é a velha demarcação básica na fachada de várias casas... muito sem graça!

Abraço

Yúdice Andrade disse...

Valeu, Wagner. Vamos conversar com os moradores antigos e tentar descobrir coisas interessantes do passado.
Sem pressa!

Frederico Guerreiro disse...

Vejam mais no blog do Belenâmbulo.